12/05/2015

ÁCIDOS E HIDRÓXIDOS NA MODELAÇÃO DOS CABELOS



Mecanismo de ação dos ácidos e hidróxidos na modelação dos cabelos

A sociedade contemporânea tem buscado, cada vez mais, promover a mudança da forma natural dos cabelos. Esse fato está associado à melhora do aspecto estético, autoestima e estilo.

As transformações permanentes dos cabelos, como ondulações permanentes, relaxamentos ou alisamentos capilares, são realizadas pela quebra e realinhamento das pontes dissulfeto (ligações de enxofre entre as proteínas que compõem as fibras do cabelo). A promoção da quebra dessas ligações é feita por reações químicas.


Os ativos para quebra das pontes dissulfeto podem apresentar caráter ácido ou básico. O mecanismo de ação dos ácidos é diferente do mecanismo de ação das bases.

Os produtos compostos por ácidos em processos de transformação capilar, normalmente, apresentam formulações de pH básico. Esse pH é importante para abrir as cutículas dos fios e permitir a entrada do ativo ácido ao córtex para iniciar as reações químicas de transformação.

Os ativos ácidos mais usados e autorizados pela ANVISA são os mercaptanos, como o ácido tioglicólico. Esse, ao ser misturado com o hidróxido de amônio formará o ativo tioglicolato de amônio. O monotioglicolato de glicerol também é usado como ativo ácido em relaxamentos ou ondulações permanentes. O bissulfato de sódio não é considerado um ácido, mas seu mecanismo de ação na transformação capilar é semelhante.

Os ácidos, no córtex, fornecem cargas negativas para os enxofres que compõem as pontes dissulfeto, além de liberarem o íon H+ no meio. A carga negativa irá desestabilizar a ligação entre os enxofres e essa será quebrada. Em seguida, o H+ liberado no cabelo irá ligar ao enxofre para estabilizá-lo. Essa primeira etapa de reação química é denominada de reação de redução. Consequentemente, os cabelos perdem resistência e desestruturam, tornando mais flexíveis e fáceis de serem manipulados. Durante esse procedimento, o profissional poderá dar novas formas ao cabelo, como promover desondulação ou ondulações por meio de acessórios. Após dar nova forma ao cabelo, para mantê-la, é necessário cessar a ação do produto e refazer as pontes dissulfeto, devolvendo parcialmente a resistência do cabelo e o mantendo na nova posição (forma) estabelecida. Dessa forma, entra a segunda etapa de reação química por meio da adição de um neutralizante.

O neutralizante, ao ser aplicado, agirá no córtex liberando átomos de oxigênio. O oxigênio liberado irá reagir com o hidrogênio que antes estabilizava os enxofres. Essa reação química é denominada de reação de oxidação e tem como produto moléculas de água. Em seguida, os enxofres voltam a ligar entre si refazendo as pontes dissulfeto, reestruturando o cabelo na nova posição fornecida a ele (ondulação ou desondulação).

Os neutralizantes para os ativos ácidos mais comumente usados tem como base o peróxido de hidrogênio.

Os hidróxidos promovem reações químicas diferentes que os ácidos na haste capilar. Todo hidróxido tem a capacidade de liberar hidroxila (OH-) no meio. A hidroxila é a responsável por agir no córtex na promoção da quebra das pontes dissulfeto e está diretamente associada ao pH do produto. Quanto maior o pH do produto, maior quantidade de hidroxilas serão liberadas. Dessa forma, os ativos a base de hidróxido que apresentarem maior pH serão os que possuem também maior quantidade de ativos para transformação dos fios.

Os hidróxidos permitidos pela ANVISA em processos de relaxamento e alisamento capilar são os hidróxidos metálicos (hidróxido de sódio, hidróxido de lítio e hidróxido de potássio) e o hidróxido de guanidina. Esse último é formado pela mistura do hidróxido de cálcio e o carbonato de guanidina.

Novamente, o pH alcalino das formulações abrirá a cutícula para a entrada do ativo. A hidroxila liberada no córtex pelo ativo hidróxido irá agir nas pontes dissulfeto quebrando a ligação entre o enxofre e seu aminoácido (cistina). A cistina, ao perder enxofre, dará origem a um novo aminoácido denominado de lantionina. Essa reação química é denominada de lantionização.

A lantionização tornará os cabelos mais flexíveis podendo ser manipulados para promover alisamento ou relaxamento capilar.

Após a ação do hidróxido, o produto será neutralizado. Os neutralizantes dos hidróxidos apresentam, principalmente, o ácido láctico e o ácido cítrico.

O ácido do neutralizante liberará íon H+. Esse íon reagirá com a hidroxila (ativo), formará uma molécula de água e cessará a ação do produto. Em seguida, as pontes dissulfeto precisarão ser refeitas para reestruturar o cabelo. No entanto, as ligações de enxofre quebradas pelo hidróxido não serão mais reestabelecidas, uma vez que houve a perda de enxofre por um dos aminoácidos que compunham essa ligação. A lantionina, originada no lugar da cistina, irá realizar uma ligação química entre seu carbono e o enxofre de outra cistina. Será formada então uma ligação entre um enxofre e um carbono no lugar das pontes dissulfeto. Essa nova ligação química formada é denominada ligação de lantionina.

Os hidróxidos, por apresentarempH extremamente alcalino, mesmo após a neutralização, dificultarão os cabelosa retornarem ao seu pH natural. Assim sendo, será necessário utilizar um xampu de acidez balanceada ou uma loção neutralizante para devolver o pH ácido dos cabelos.

É importante ressaltar que os produtos para a transformação das estruturas do cabelo são nocivos à saúde quando em excesso a exposição ou uso inadequado. Dessa forma, é necessário critérios para se trabalhar com tais produtos. Observe sempre as contra indicações e faça uma correta avaliação do couro cabeludo e tipo de cabelo do cliente para selecionar o produto mais adequado a ser aplicado.

Por Juliano Albergaria

Fonte: São Escola Bom Pastor

QUÍMICAS CAPILARES : HIDRÓXIDO DE SÓDIO X TIOGLICOLATO X HIDRÓXIDO DE GUANIDINA



- HIDRÓXIDO DE SÓDIO ( SODA CAÚSTICA ) :

O Hidróxido de Sódio é o mais potente de todas as químicas.

O Hidróxido de Sódio, também chamado como Soda Cáustica, é mais potente e usado para relaxamentos como em alisamentos.
A substância é mais potente porque tem pH bastante alcalino, que provoca a abertura das cutículas do cabelo e há uma penetração do produto.

É um produto mais duradouro em alisamentos do que em relaxamentos.

Depois do processo é necessário utilizar uma substância ácida (Neutralizador) para fechar as cutículas.

No momento de optar por um produto á base de Hidróxido de Sódio, para alisar os cabelos, atenção em suas concentrações, porque enquanto mais alto o pH do produto mais danos serão causados a fibra capilar, o recomendado é estar escolhendo um alisante de baixa concentração.

- TIOGLICOLATO DE AMÔNIA(O) OU OU THIOGLICOLATO, ÁCIDO TIOGLICÓLICO, SAIS DE TIOGLICOLATO, ETANOLAMINA, THIOLAMINA, ETC...

O Tioglicolato de Amônia é uma química mais usada no Brasil e com um processo diferente:

A química quebra as pontes de Dissulfeto dos Aminoácidos de Cistina, gerando uma formação dupla para cada cistina. Por meio desse processo, a Queratina sofre inchaço, tornando-se maleável para ser enrolada ou alisada.

Após a aplicação,utiliza-se um oxidante para interromper o processo da química aplicada.

O Tioglicolato pode ser encontrado em creme ou gel e possui um odor muito característico do enxofre.


ATENÇÃO

- Cabelos que não podem ser processados com Tioglicolatos: os que já foram processados com Sódio ou Guanidina. Terá que aguardar, pelo menos 6 meses, utilizando o Tioglicolato apenas a raiz e assim mesmo com Teste de Mechas.
- Colorações são compatíveis com o Tioglicolato,mas é recomendado com oxidantes cuja volumagem não seja maior que 30 Volumes.
- Clareamentos e decapagens não são recomendados, após a realização do procedimento com o Tioglicolato.
- Cabelo já colorido ou descolorido, pode ! Mas antes aplicar tratamentos Reconstrutores Pré-alisamentos e Teste de Mechas antes do processo com Tioglicolato.

- HIDRÓXIDO DE GUANIDINA:

O Hidróxido de Guanidina tem o mesmo principio que o Hidróxido de Sódio, mas é menos potente em sua reação, menos nocivas que Hidróxido de Sódio, mas chegando até a causar queimadura graves no couro cabeludo, caso seja mal utilizada.

Todas as químicas devem ser controladas nas aplicações e com regras de compatibilidades seguidas à risca, pois caso contrário pode haver quebra dos fios e até queda dos mesmas.

Existem outras substâncias no mercado que também alisam os fios como a Carbocisteína, que é um derivado de Aminoácidos ou Ácido Glioxílico. Esses tratamentos se encontram nos alisamentos como as famosas Escovas Progressivas.

OBSERVAÇÕES:

- Não basta apenas qualidade do produto, também é importante ficar atenta(o) na aplicação. Como a química é abrasivas, é extremamente importante que as químicas sejam aplicadas com profissionais de confiança e que o produto seja manipulado na sua frente para evitar possíveis alterações da fórmula.

- Para se evitar que o cabelo fique fraco e quebradiço, invista sempre em tratamentos hidratantes ( ou de Nutrição e Reconstrução)antes da aplicação, e o Teste de Mechas é mais que importante para se observar se os fios suportam o alisamento com essa ou aquela química ( química escolhida para a aplicação).

- Quem tem outro tipo de química como as da coloração ( ou outras ),deve procurar Escovas Progressivas compatíveis.

- Os Hidróxidos permitidos pela ANVISA em processos de relaxamento e alisamentos capilares são os Hidróxidos Metálicos (Hidróxido de Sódio, Hidróxido de Lítio e Hidróxido de potássio e o Hidróxido de Guanidina. Esse último é formado pela mistura do Hidróxido de Cálcio e o Carbonato de Guanidina.

Hoje já encontramos no Mercado químicas menos abrasiva e compatíveis com diversas químicas nas Escovas Progressivas.

INCOMPATIBILIDADES DAS QUÍMICAS CAPILARES:

Basta classificar os produtos para alisamentos capilares em duas categorias:os "Hidróxidos" (Guanidina, Sódio, etc.) e os à base de "Tioglicolato de Amônio ou aAmônia", as duas famílias de produtos SÃO INCOMPATÍVEIS ENTRE SI.

08/05/2015

TIOGLICOLATO DE AMÔNIO X ESCOVA PROGRESSIVA



Tioglicolato de Amônio é um sal de amônio do Ácido Tioglicólico.

O Tioglicolato é um Princípio Ativo indiscutivelmente versátil, pois ele tanto pode relaxar como cachear ou alisar.

O Tioglicolato de Amônio desencadeia uma quebra das ligações de Aminoácidos (baseadas em ligações de Enxofre – Pontes de Cistina) do fio de cabelo, então cabelos como antes, só crescendo.

O Tioglicolato de Amônio também é muito encontrado nas fórmulas de Escovas Definitivas, em menor concentração, até mesmo em algumas Escovas Progressivas sem formol.

Para potencializar ainda mais o resultado do alisamento a base de Tioglicolato, algumas Escovas Progressivas ainda poderão ser realizadas após o relaxamento,mas somente após a neutralização da química do relaxamento.

As Escovas Progressivas, geralmente são constituída em sua composição de Aminoácidos, Emulsões especiais de Silicone, Queratina Termoativada e 0.2% de Formol, portanto "são compatíveis" com alisantes à base de Tioglicolato de Amônio.

A aplicação do Tioglicolato de Amônio se finaliza o procedimento com um Agente Neutralizante, que como o próprio nome diz, neutraliza o efeito do alisante nos cabelos definindo o resultado final.

Lembrando que após a aplicação do Tioglicolato de Amônio , os cabelos irão adquirir um novo formato sem que se possa fazer o caminho reverso, ou seja,não será possível removê-lo.

É indispensável o Teste da Mechas antes de aplicar a química por completo nos cabelos. Além da resistência dos fios, que poderão não aguentar o relaxamento, alguns produtos para relaxamento que são considerados seguros e compatíveis não são.

ATENÇÃO

- Para o retoque de relaxamento proteja os fios, que já passaram pela química anteriormente, com algum tipo de óleo e tenha o cuidado de passar o produto somente nas áreas que deseja retocar.

- Se ocorrer algo inesperado decorrente da incompatibilidade de químicas e os cabelos começarem a emborrachar, elástico ou cair... imediatamente lave abundantemente com água e shampoo neutralizante da química, e na sequência use o condicionador para equilibrar o pH dos cabelos.

- Para se certificar qual produto foi feito anteriormente de Relaxamento dos fios, se tinha cheiro forte, provavelmente foi aplicado Tioglicolato de Amônio, pois os Hidróxidos não tem cheiros e não ardem no couro cabeludo.

- Após qualquer tipo de química ( de Relaxamentos, de Escovas Progressivas, tinturas...) aplicada nos fios é necessário uma rotina de reposição de nutrientes para manter a saúde dos fios.

- Para cabelos relaxados ao tingir, o ideal são tonalizantes que não possuem Amônia, que agem apenas na superfície dos fios.

- Se for combinar relaxamento com coloração, ou descoloração, fique atenta as compatibilidades e redobre os cuidados pois também é importante manter uma rotina de reposição de nutriente para manter a saúde dos fios.

- O Princípio Ativo Tioglicolato de Amônio é incompatível com qualquer tipo de Hidróxido ( Lítio, Sódio, Guanidina...).

- Os produtos para relaxamento que são compatíveis com colorações e mechas são os à base de Tioglicolato de Amônio e de Amônia.

Observações:

Quando falamos em compatibilidade, devemos também levar sempre em consideração o estado dos fios e o resultado do Teste de mechas, pois nem tudo na teoria na prática é uma Ciência Exata.

Resumindo: O Relaxamento a base de Tioglicolato de Amônio é compatível com a Escova Progressiva,sendo ela com Princípio Ativo de Formaldeído.

Sonia

04/05/2015

ARGILOTERAPIA CAPILAR



Argiloterapia Capilar é a ultima novidade na Cosmética Mundial, depois de provar sua eficácia para o rosto e corpo, agora vem se destacando cada vez mais para uso capilar.

O tratamento com argila proporciona fios saudáveis, controla a oleosidade, elimina a caspa, estimula o crescimento e até diminuindo a queda.

Argiloterapia Capilar para quem ainda não sabe é um novo método de Peeling Capilar, que utiliza a argila para desobstruir os poros, efetuando uma limpeza profunda, revigorando e dando brilho aos fios.
A argila ajuda a eliminar as impurezas e células mortas do couro cabeludo e dos fios, dessa forma, combate a caspa e evita a queda, promovendo um crescimento saudável e devolvendo o brilho e força para as madeixas.
Argiloterapia Benefícios

Os benefícios do tratamento são diversos devido sua ação terapêutica, regeneradora, anti-inflamatória e anti-séptica, além disso é rica em oligoelementos e sais minerais (zinco, cálcio, potássio, ferro, magnésio, sílica e sódio). A argila usada no tratamento é especial, por isso não causa problemas alérgicos sendo indicada para quem tem o couro cabeludo sensível.

Argiloterapia para Cabelos

A Argiloterapia para cabelos vem sendo cada vez mais procurada em estéticas e salões especializados, os tipos de argila mais usados são as de cor verde, branca e preta.
O método é utilizado com a finalidade de limpar, nutrir e revitalizar, também controla a oleosidade, age como hidratante, possui ação anti-séptica e devolve o brilho e maciez aos fios.

TRATAMENTO CAPILAR COM ARGILA VERDE

É purificante, remineralizante e anti-séptica. Tem ação mais tonificante, de limpeza, e é indicada para fios normais ou com oleosidade controlada.

TRATAMENTO CAPILAR COM ARGILA BRANCA

Rica em silício e diversos oligoelementos. Promove o aumento na oxigenação de áreas congestionadas, a uniformização pela esfoliação suave e regula a queratinização, ou seja, ajuda a repor a queratina perdida pelos cabelos danificados e proporciona efeito revitalizador.


TRATAMENTO CAPILAR COM ARGILA PRETA

Mais ácida, contém maior quantidade de matéria orgânica e enxofre. Age na raiz com oleosidade excessiva, trata alguns casos de alopecia e também de queda.

ARGILOTERAPIA COMO FAZER ?

O tratamento é tão fácil que pode ser realizado não só em clínicas estéticas, Salões como também em casa, mas é necessário que os produtos usados em casa sejam indicados para uso estético (para face, corpo e cabelos), pois a granulação do produto é fracionada especialmente para uso estético e cosmético, com grãos uniformes e arredondados para que não machuque a pele.

COMO APLICAR ARGILA NO CABELO ?

A argila no cabelo pode ser feito toda semana e não existe um número exato de aplicações para que o cabelo fique com um aspecto mais saudável.
O tempo de uso e a quantidade das aplicações variam de acordo com o estado em que o cabelo se encontra e o número de sessões irá depender de como está à saúde dos fios, não havendo contraindicação.

A argila deve ser preparada sempre em um recipiente de vidro ou barro, nunca usando metal ou plástico.

Para misturar utilize uma colher de pau.

Coloque 3 colheres de sopa de argila no recipiente e aos poucos vá misturando com água (30ml água filtrada, sem cloro) até ficar com a consistência grossa, se for necessário pode adicionar mais um pouco de água.

Com a ajuda de um pincel, aplique no couro cabeludo em cabelo seco ou molhado (só com água), deixando agir durante 15 a 20 minutos.



A argila é escura quando está molhada e vai ficando clara quando seca, por isso, deve ser retirada antes de ficar completamente seca.

Remova a argila com água morna.

Depois lave o cabelo com Shampoo Anti-resíduos, em seguida, aplique uma Máscara Hidratante.

Depois de lavar normalmente o cabelo, retire os excessos de água com uma toalha.
De preferência, deixe o cabelo secar ao natural, evitando o uso do secador.

Dicas:

- Em casos de cabelos muito oleosos, pode-se utilizar a argila também nos fios, neste caso deve-se aumentar o preparo.

- Para cabelos frágeis e quebradiços, é indicado antes do uso procurar orientação de um profissional (cabeleireiro ou clínica de estética).

Fonte: Dietas e Dicas (Revista Digital)

VELATERAPIA / TERAPIA CAPILAR



A Velaterapia é uma Terapia Capilar bastante antiga, que utiliza a chama da vela para desobstruir os canais por onde devem entrar vitaminas e nutrientes necessários para deixar o cabelo saudável.
A técnica que promete eliminar as indesejadas pontas duplas e proporcionar outros benefícios aos cabelos, tem despertado o interesse de muitas mulheres em busca dos fios perfeitos.

A Velaterapia para cabelos deve ser feita apenas por um profissional especializado.

Para ser feita a técnica da Velaterapia os cabelos devem estar seco e não terem sido lavados recentemente.

O cabelo é separado em mechas bem finas e depois são torcidas uma a uma para passar a chama da vela. Com o calor da chama, onde há pontas duplas, começa a formar bolinhas. Esse Processo se chama de Cauterização.




Em seguida, é feito o chamado "Bordado" com e tesoura, na qual o profissional passa a tesoura em todas as bolinhas e não apenas nas pontas dos fios.



Para finalizar o tratamento de Velaterapia é feito um banho de creme para repor as vitaminas do cabelo.




O resultado é excelente, os fios ficam mais fortes, sem pontas duplas, saudáveis e menos quebradiços.

Todo o processo da velaterapia dura de 30 a 40 minutos e pode ser feito a cada três meses,dependendo do estado do cabelo.

Qualquer pessoa pode fazer a Velaterapia nos cabelos, porém, um profissional deve fazer uma avaliação detalhada para saber se o seu cabelo não está poroso demais, ou seja, muito elástico. Caso esteja nessas condições, o cabelo deve passar antes da terapia, por um processo de nutrição para devolver os nutrientes essenciais dos fios.

Portanto, se o seu cabelo está sem vida, com pontas duplas e quebradiço, seja pelo excesso de escova, chapinha, luzes, químicas ou babyliss... aposte na Velaterapia.

Atenção !

Nunca faça a técnica em casa !

Sonia

CORTE QUÍMICO



O Corte Químico é uma reação que ocorre nos cabelos que resulta na quebra dos fios, total ou parcialmente, estes se rompem em tufos, praticamente se esfarelam,em decorrência de incompatibilidade de químicas ou má utilização das mesmas.
Alguns cortes químicos são tão fortes que chegam queimar o fio de cabelo com formação até de fumaça. Pode ,inclusive, ter perda dos cabelos.

Exemplos de Procedimentos que podem levar ao Corte Químico: alisamentos, tinturas, descolorações e permanentes.

No caso de Corte Químico é indicado neutralizar imediatamente a química e equilibrar o pH dos fios.

COMO AMENIZAR UM CORTE QUÍMICO ?

- Usar apenas Shampoo sem sal ou de Ph neutro e Shampoo Anti-Resíduo... nem em pensamento.

- Lavagens nas madeixas no máximo duas vezes na semana.

- Aplicar Máscaras ou Cremes Reconstrutoras e Leave-ins à base de Proteínas (como a Queratina) para ajudar a repor o que foi perdido nos fios de cabelo.
Nas Máscaras ou Cremes Reconstrutores se pode colocar umas gotinhas de Óleos Essênciais.

Os produtos que misturam o Óleo Essencial com ou outros Produtos Inorgânicos, como Máscaras ou Cremes Capilares, também trazem benefícios, mas eles podem não ser tão eficazes quanto os óleos em sua versão pura.
As melhores opções de Óleos essenciais para o tratamento dos cabelos são os óleos: de Argan, Rosa Mosqueta, Coco, Abacate, Jojoba, Rícino, Amêndos e muitos outros...

- Aplicar a Máscara de Reestruturação e deixar agir nas madeixas por 20 minutos a 30 minutos, no mínimo uma vez por semana.

- Escovar apenas com escovas com 50% de Cerdas Sintéticas e 50% de Cerdas de Javali para ajudar a empurrar os óleos do couro cabeludo para as pontas dos cabelos sem agredi-los mais.

Lembrando:
As escovas tipo 'Raquetes' são ideais para desembaraçar os fios e as Cilíndricas são mais para modelar ou alisar os fios.


- Sempre desembaraçar o cabelo das pontas à raiz com pentes de madeira, que tem o mesmo propósito em não eletrizar os fios (ajudam a diminuir os frizz).




- Não exerçer nenhuma pressão sobre os fios, inclusive com amarrações, uso de grampos, prendedores...

- O uso de Mega Hair ou quaisquer acessórios, que poderão forçar o cabelo danificado, deverão ser suspensos.

- Evitar o máximo o uso de Secadores ou Chapinhas. Deixe o cabelo secar naturalmente.

- Aparar o cabelo mensalmente,pelo menos, alguns centímetros para retirar aos poucos o cabelo danificado.

- Se faz uso de tinta, escolha a uma cor que fique no máximo a três tons de sua cor natural para causar menos danos aos fios. Tinturas de tons mais escuros também são menos nocivas.
O ideal é nenhuma tinta, seja ela com Amônia ou não, pelo menos, até recuperar um pouco os fios.

- Fazer uso de fronha de Seda ou Cetim.
Por que?

A Seda ou Cetim ajuda a reduzir os danos capilares e reduzindo as pontas duplas, além de não reter também a umidade natural do cabelo. Também impede que os fios embolem muito durante a noite.


Observações:

Para evitar um Corte Químico é religiosamente necessário o Teste de Mechas, inclusive em cabelos naturais.
Algumas pessoas expõem seus cabelos inconscientemente a algum tipo de substância metálica, como, por exemplo, a água quente que sai de tubulações metálicas e que é usada para o enxágue diário dos fios, ou Hennas as quais seus fabricantes prometem ser naturais e ou simples tonalizantes e não são. Tudo isto também pode desencadear reações adversas da química.