27/11/2013

CARBOCISTEÍNA + ÁCIDO GLIOXÍLICO



Escova de carbocisteína, ácido glioxílico ou ácido formilfórmico?

Na verdade elas estão no mesmo barco, ou no mesmo produto pois o ácido glioxílico também é denominado ácido formilfórmico, portanto, tecnicamente o mais indicado seria falar em “escova de carbocisteína e ácido glioxílico”, já que os dois agentes químicos atuam juntos, uma vez que a carbocisteína não tem o poder de alisamento. Vamos explicar melhor.

A cisteína é utilizada em produtos para o cabelo para fazer permanentes, especialmente no oriente. Neste caso, são as ligações dissulfureto na queratina no cabelo quem sofre a ação interferente deste aminoácido. A carbocisteína é derivada deste aminoácido (L-cisteína) que faz parte da proteína (queratina) o qual é formado o cabelo. Ela por sua vez por ter uma alta bioafinidade com o fio de cabelo então ela se “mistura” com a estrutura do fio (ou ligações) para repara-las e fortalecê-las.

A L-cisteína é um aminoácido de origem sintética, que está presente na estrutura capilar. Confere resistência, força e repara as fibras capilares, seu mecanismo de ação não está totalmente esclarecido, porém a L-cisteína possui alta afinidade com a queratina capilar, ligando-se a esta estrutura, o que justificaria seu efeito condicionante e restaurador, em associação com o ácido glioxílico, devido à oxidação molecular durante o processo de redução de volume dos fios. Tem poder de ligar-se a estruturas específicas, remoldando os cabelos e gerando o efeito desejado.

Ácido Glioxílico – (formilfórmico) é um acido orgânico e o mais simples dos ácidos-aldeídos, provenientes do ciclo dos ácidos tricarboxílicos, que ocorrem na maioria das plantas e microorganismos, mas não em animais. Sua forma molecular é considerada simples, de pH por volta de 1,5. Este ácido em atuação nos fios faz com que estes “engordem” e abram as cutículas do fio, facilitando assim a entrada de qualquer produto, que nesta combinação é a carbocisteína e fará com que esta tenha uma atuação mais penetrante.

Então podemos observar que a carbocisteína é maravilhosa porque condiciona e trata os fios. Entretanto ressaltamos que não estamos descrevendo um produto para reparar os cabelos e sim com finalidade para reduzir o volume, porém com um aspecto saudável e de lisinho (saudável pela carbocisteína e lisinho pelo… ácido glioxílico. Façam vocês suas reflexões)

Essa ação mais penetrante proporcionada pelo tal ácido se dá porque o ácido glioxílico em contato com o fio, além de abrir as cutículas, penetra no córtex e rompe várias pontes de cistina (por liberar aldeídos) e por consequência as ligações de enxofre (ou dissulfetos). Isto faz com que a fibra capilar sofra uma transformação, deixando-a em outra forma: LISA. Então para completar o serviço a carbocisteína penetrar no fio já bem modificado pelo ácido glioxílico e potencializa o processo de alisamento graças ao seu alto grau de emoliência e maleabilidade causado no fio.

O ácido glioxílico associado com a L-cisteína, forma uma mistura de alta ionicidade, que permite a ruptura das ligações de pontes de hidrogênio e ligações salinas na fibra capilar. Além disso, ocorre a interação com a cisteína presente na parte externa dos fios (cutículas), causando a interconversão nas ligações dessas moléculas. Com essa combinação da ruptura das ligações hidrogeniônicas, ligações salinas, interconversão das ligações cisteínicas e calor, a redução de volume intensa se torna possível.

Parece claro que a carbocisteína por si só não alisa, mas precisa de um outro agente químico para desfazer (oxidar) as ligações de cistina (que dá forma aos fios). Este outro agente é o ácido glioxílico.

Outra informação relevante é saber que estes componentes não são proibidos pela ANVISA, o que há são graus de classificação feitos pela ANVISA para os cosméticos: cosmético grau 1, cosmético grau 2. Para os de grau 1 são considerados: xampus, condicionadores, os hidratantes e similares, já para os de grau 2 estão os alisantes.

E como a carbocisteína sozinha não tem poder alisante então as escovas são comercializadas como Grau 1, ou seja, como se fossem escovas hidratantes. Assim também o ácido glioxílico é considerado Grau 1, mas volto a dizer: deveriam ser analisados os dois juntos em composição.

Então fiquem atentos aos produtos sob o princípio ativo carbocisteína, pois para que possam promover o efeito liso, precisam ter a “parceria” do ácido glioxílico.

FONTE: http://www.exallabelleza.com.br/

OBSERVAÇÃO:

Sempre afirmei,em vários textos que Carbocisteína sozinha não alisava as madeixas.