14/10/2011

A COR ORIGINAL DOS SEUS CABELOS E SUA SAÚDE


A cor original dos cabelos pode revelar muitos detalhes importantes sobre a saúde de cada pessoa.

Conheça e proteja-se!

Mulheres de cabelo castanhos ou negros tem mais possibilidade de desenvolver melasmas.
São tantas tinturas e descolorantes que você mal se lembra da cor original do seu cabelo. Mas faça um esforço. O que está por baixo das tinturas revela indícios importantes sobre sua saúde.

Se você tem cabelos castanhos ou negros...

1. Apague o cigarro Não se sabe por que a possibilidade de vício é maior entre as castanhas, mas uma provável vilã é a melanina.
O pigmento evita que o fígado metabolize com rapidez as toxinas - e, quanto mais tempo elas ficarem no corpo, mais rápido o vício.
Estudos em animais sugerem que a vitamina C mantém o fígado em ordem. Fumantes de cabelos castanhos devem ingerir, por dia, 75 mcg, presentes em meia laranja.

2. Escolha um antimanchas

Mulheres de fios castanhos têm maior tendência a desenvolver manchas de sol, os melasmas. Depois que as manchas estão instaladas, o indicado é usar cremes despigmentantes. A ceratose seborreica, pelinha que cresce com aspecto de verruga, também é comum, especialmente após os 50 anos. O tratamento é feito com cauterização.

3. Fique de olho no ferro

Algumas mulheres com cabelo muito escuro desenvolvem hemocromatose, um espessamento do sangue devido ao acúmulo de ferro, que também se deposita nos órgãos. Como não há formas de prevenção, faça checkups, sobretudo se tiver algum caso na família. Um simples hemograma traz indícios sobre a existência da doença, que é confirmada por testes genéticos. O tratamento é feito com retiradas periódicas de sangue - processo chamado flebotomia, que reduz a quantidade de ferro em circulação no organismo - e ingestão de agentes quelantes, que auxiliam na eliminação do ferro.

4. Segure suas madeixas
Fios escuros são mais espessos que os loiros ou ruivos e existem em menor quantidade. Logo, quando caem, deixam mais espaço. "Além disso, na falta do cabelo escuro, a rarefação fica mais evidente no contraste com a pele", explica Arthur Tykocinski, especialista em cabelo da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Lute contra a falta de cobertura comendo por dia 250 g de carne (fonte de aminoácido e zinco) e 200 g de amêndoas ou 100 g de amendoim (ricos em vitamina B7). Loiras têm predisposição a perder a visão central

Se você é loira...

1. Abra os olhos Mulheres, mais do que homens, apresentam alto risco de desenvolver degeneração macular relacionada à idade (DMRI), doença que causa a perda da visão central. "E as loiras são geneticamente mais suscetíveis à DMRI", diz Valcinir Bedin, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Estética. Uma dieta rica nos compostos naturais luteína e zeaxantina funciona como óculos de sol naturais. Os nutrientes são encontrados em verduras verde-escuras.

2. Mergulhe no protetor Loiras produzem menos melanina, o que deixa a pele e o couro cabeludo delas mais expostos ao risco de melanoma. "Além de conferir a cor da pele, a melanina protege contra os nocivos raios UV", diz Joel Schlessinger, presidente da Sociedade Americana de Dermatologia Cosmética e Cirurgia Estética. Compre protetor solar com FPS maior que 30 e use chapéu quando se expuser ao sol.

3. Tire o antirrugas do armário "A pele das loiras tem forte tendência a formar rugas e rosácea, uma inflamação crônica que provoca vermelhidão. Mais uma vez, a falta de melanina é a culpada pela fragilidade", diz Regina Casz Schechtman, coordenadora da pós-graduação em dermatologia da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. A solução é usar um creme antirrugas, de preferência hipoalergênico, para evitar a rosácea.
Ruivas necessitam se proteger do sol para evitar o aparecimento de sardinhas

Se você é ruiva...

1. Cuide da boca "Uma mutação genética faz com que as ruivas sejam mais resistentes à anestesia local", diz o anestesista Daniel Sessler, da Clínica Cleveland, nos EUA. Para não berrar de dor, as ruivas precisam de até 20% mais sedativos do que as castanhas ou loiras. Mas nem por isso descuide da boca. Converse com o dentista ou tome um analgésico antes da consulta.

2. Fique atenta ao Parkinson Um estudo feito em 2009 pela Universidade Harvard, nos EUA, concluiu que as ruivas têm 90% mais chance de desenvolver a doença, possivelmente porque a mesma mutação genética muda a cor do cabelo e predispõe à doença. Coma alimentos com ácido fólico, como espinafre - cru, de preferência - e frutos azedos. Margaret Lewin, diretora médica do Cinergy Health, nos EUA, aconselha tomar um suplemento com 400 mcg de ácido fólico por dia.

3. Cubra-se As ruivas de olhos verdes facilmente se queimam e não se bronzeiam. Por isso as chances de desenvolver doenças como câncer de pele, em especial o melanoma, são grandes. "Além disso, esse grupo pode apresentar manchas na pele decorrentes da exposição solar, as famosas ‘sardinhas’", diz Regina Casz Schechtman. Assim como as loiras, aposte no chapéu e no protetor solar.

Fonte: Mdemulher
Conteúdo do site Women's Health