17/12/2010

HIDRATAÇÃO DOS CABELOS ... MITOS E VERDADES

O cabeleireiro Marcos Vianna responde a dúvidas sobre o assunto.

Quando utilizamos sempre o mesmo tipo de máscara hidratante, o cabelo vicia? Como driblar esse problema?
Para o cabelo não viciar com o produto, é necessário usar um produto dentro de um pH balanceado para o cabelo humano, e com as devidas técnicas adequadas de lavagem e hidratação.

O potencial de hidrogênio - pH - é a escala que defini a acidez e a alcalinidade de produtos e do cabelo, sendo que o pH do cabelo está na faixa 5.0 nesta escala. Bons produtos se preocupam em definir o seu pH dentro desta faixa, expondo e especificando no seu próprio rótulo. Quando um produto está fora desta faixa de pH ele surte determinado efeito, porém com o tempo desestabiliza o pH do cabelo e do couro cabeludo, daí a sensação que o produto não está fazendo mais efeito.

Outro aspecto que interfere é a técnica de lavagem e aplicação dos produtos que deve ser apropriada, sem excessos e enxaguando devidamente os cabelos quaisquer que seja o processo (shampoo ou condicionador, máscara hidratante).

Fazer hidratação caseira (com máscara hidratante) funciona?

Sim, desde que a cliente siga corretamente a orientação de um bom profissional, capacitado, quanto ao produto indicado e maneira de usá-lo. Produtos comprados em perfumarias, farmácias, mercados sem uma boa orientação nem sempre trazem bons resultados, até porque para potencializar o efeito os salões dispõem de recursos e equipamento especializado para isso. O ideal é consultar o profissional que irá recomendar os melhores produtos para hidratar os fios em casa.

De quanto em quanto tempo deve-se hidratar os fios em casa? E no salão?

Todo cabelo requer hidratação. Uma vez por semana, uma hidratação leve em casa, para um cabelo saudável, é bacana! Para cabelos danificados só hidratar não resolve, e requer uma reconstrução, que é um tratamento mais profundo que repõe a queratina - que é o principal aminoácido de formação do fio de cabelo - além de anti-oxidantes, ácido-graxos essenciais e hidratantes botânicos. Num tratamento mais profundo, como a reconstrução, o ideal é começar o tratamento no salão uma vez por semana. Conforme o cabelo se recupera o intervalo irá aumentar para a cada dez, quinze e trinta dias. É fundamental usar um shampoo, condicionador e leave-in específicos para manutenção e otimização do tratamento.

Posso trocar o condicionador pelo creme hidratante?

Sim, para determinados casos, e dependendo da qualidade do produto. Existem cabelos que precisam de um condicionamento mais hidratante. Para cabelos mais oleosos com o pH mais ácido, um condicionador específico é o suficiente. Para um cabelo mais poroso, quebradiço e com um pH mais alcalino a substituição é adequada e inclusive recomendada, trocando o condicionador por um hidratante.

Abacate e Babosa hidratam realmente os fios? Por quê? Como usá-los?

Hidratam realmente, mas não reconstroem ou reestruturam. Abacate e babosa contêm lipídios e hidratantes muito usados na formulação química de diversos produtos capilares. Para um cabelo saudável, levemente ressecado, surtem algum resultado, se usados da seguinte forma: extraindo o sumo da babosa e misturando ao creme do abacate, e imediatamente usados para evitar a oxidação. É possível adicionar alguma essência para melhorar o perfume. Mas para fios porosos, quebradiços e com pH mais alcalino é necessário aplicar queratina extraída de cabelo humano com um peso molecular apropriado, além de anti-oxidantes.

Hidratar os fios é a mesma coisa que repor seus nutrientes?

Até certo ponto sim; é feita a reposição dos emolientes que hidratam os fios, mas não se fixam por ausência da queratina, já a reconstrução efetivamente repõe os nutrientes.

Quanto mais tempo o hidratante ficar no cabelo, melhor será o resultado?

Não. Até uma hora é o tempo máximo para um bom hidratante atuar no cabelo, e depois disso não fará mais efeito. É importante a eficiente lavagem, aplicação e distribuição do produto, o enxágüe com água não muito quente e o secar com a toalha não agredindo o cabelo esfregando-o, mas sim apertando e apalpando o cabelo.

A química desidrata o fio?

Principalmente se for uma química de má qualidade. Nem todas as formulações químicas tem protocolos para proteger e tratar os fios, diferentemente das formulações feitas em salão, específicas para profissionais, que garantem total controle do processo. Conforme o caso os profissionais sugerem processos químicos como luzes, balayages e outros para fios oleosos, que podem embelezar o cabelo ao mesmo tempo que equilibram, removendo o excesso de oleosidade como resultado do processo químico de coloração.

Aplicar o creme na raiz do cabelo prejudica os fios?

Sim, em sua maioria, sendo a exceção os couros cabeludos ressecados. Não se deve aplicar creme na raiz do cabelo, principalmente durante o outono/inverno, onde os distúrbios do couro cabeludo são mais freqüentes. Cremes com alta concentração de emolientes químicos, que são encontrados em produtos de qualidade inferior, para barateá-los, desestabilizam o pH do couro cabeludo, estimulando a queda e a seborréia. Quanto ao fio de cabelo em si, cremes com alta concentração de emolientes químicos podem causar abertura das cutículas do fio, o que com o tempo causa o efeito inverso, ressecando ainda mais os cabelos, e até deixando-os quebradiços.

Toalha ou touca potencializam a hidratação?

Particularmente não recomendo toalhas quentes e úmidas para potencializar uma hidratação pois podem remover o produto aplicado. E melhor usar uma touca térmica (não elétrica), que trabalha com o próprio calor da cabeça da pessoa, o que é o suficiente para potencializar bem a hidratação.

Fonte: http://www.belezaestetica.com/
Mais informações: lookchique@gmail.com