21/08/2010

A VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DE BELEZA

O domínio da linguagem visual, aliado ao conhecimento das técnicas profissionais, é o que determina a valorização da beleza e de quem a produz.

O economista e consultor de corporações, o austríaco Peter Drucker, comentou que, fazendo uma análise sobre o século XX percebeu que as tecnologias, como a televisão e a internet, não foram o que mais marcou a época, e sim o fato de proporcionarem escolhas a milhões de pessoas, repentinamente. Porém, ainda mais significante foi a incapacidade das empresas de oferecê-las e o despreparo da população para assimilar essa enorme mudança.

Por isso, a grande tendência de todos os mercados é o que se chama customization - a personalização no oferecimento de produtos e serviços. Empresas, como a Dell Computadores, que conseguiram isso obtiveram grandes vantagens e liderança no seu segmento.

No setor de beleza, é o visagismo que se enquadra nessa tendência.

O profissional dessa área, que exerce o visagismo, não trabalha com padrões de beleza, ou soluções padronizadas, derivadas das tendências de moda. Busca soluções que revelam o que é singular nos seus clientes, adaptando as tendências de moda ao estilo de cada um.

O seu atendimento é personalizado. Analisa cada cliente para identificar suas características físicas - positivas e negativas - e sua personalidade, pois sabe o que o formato do rosto, os traços e proporções das feições, a cor da pele e outras características físicas revelam do temperamento. Esta análise lhe permite identificar o que faz cada pessoa ser única.

A análise profunda proporciona um relacionamento diferenciado e personalizado com seu cliente, onde procura conhecer seu estilo de vida, suas atividades profissionais e pessoais, suas necessidades e situações específicas de cada momento da sua vida. Os clientes, quando conhecem o visagismo, surpreendem-se e se encantam. A percepção de que sua imagem revela tanto de si mesmos faz com que valorizem a criação consciente e dirigida, que só o visagista consegue.

A criação da concepção, ou idéia básica do que se deseja expressar com a imagem, é feita pelo cliente, com a ajuda do visagista. Envolve uma profunda reflexão, por parte do cliente (falaremos mais sobre isso no próximo artigo), que será continuada, quando sair do salão. Cabe ao profissional transformar esse conceito em imagem. Ele só pode ser considerado um verdadeiro visagista se tiver domínio da linguagem visual, aliado ao conhecimento de técnicas de corte, coloração e maquilagem. O conhecimento da linguagem visual lhe permite criar conscientemente, sem depender unicamente de sua intuição e de sua inteligência visual. Ele sabe o que as linhas, as cores, os formatos e outros elementos visuais expressam e como usá-los para criar a imagem que o cliente deseja. Também sabe como explicar ao cliente o que pretende fazer, por que escolheu determinada solução, como a imagem afetará o seu comportamento e como será percebida por outras pessoas.

O visagista deve alertar seus clientes sobre o poder da imagem. Recentes pesquisas neurobiológicas comprovam que toda imagem cria um impacto emocional, antes que seu significado seja compreendido racionalmente. É por isso que se diz que a primeira impressão é a que vale. As linhas, formas e cores têm significados fixos, compreendidos intuitivamente da mesma maneira por todas as pessoas, independentemente de sua cultura ou raça, pois agem sobre a emoção e não a razão. A imagem de uma pessoa, portanto, afeta outras pessoas com as quais se relaciona emocionalmente, criando sensações positivas ou negativas. Mas também afeta a própria pessoa, seu comportamento e sua auto-estima.

O visagista, por conhecer a linguagem visual, sabe o que determinada imagem expressará e como afetará as relações de uma pessoa e sua auto-estima.

Os benefícios que o visagismo traz ao profissional, portanto, são inúmeros. Os clientes valorizam muito mais seu trabalho, têm muito mais confiança nos procedimentos indicados por ele, porque são embasados em conhecimento, e ele mesmo tem maior confiança. Todo trabalho é único e sua criatividade está sendo exercida constantemente, o que propicia maior prazer e evita a rotina.


O visagismo transforma o profissional de beleza em um artista. Ele se sente realizado, pois, além de criar beleza e bem-estar estará beneficiando os seus clientes em todas as esferas de suas vidas.

Na esfera comercial, isso se traduz em clientes fiéis, que tendem a usar os seus serviços com mais freqüência, porque têm consciência da importância da imagem pessoal. Percebem que, para cada ocasião, é preciso ter uma imagem adequada e como é importante que seja tratada por um visagista. Também têm consciência que a imagem deve refletir as mudanças que ocorrem ao longo da vida de cada um. Por tudo isso, seus clientes indicam seus serviços a outros, com prazer, segurança e entusiasmo.

Finalmente, o visagismo abre oportunidades para o profissional, principalmente em empresas, para que cuide da imagem de seus funcionários.

Meu maior prazer é ver os resultados do trabalho de um profissional que aplica os conhecimentos do visagismo, transmitidos por mim em cursos e no meu livro. Começa com a alegria da pessoa em se sentir bela, e, mais do que isso, de se ver como um indivíduo, com uma imagem única, que revela o melhor de si para ela mesma e para o mundo. E, depois, vendo como foram beneficiadas.

O visagismo entusiasma porque pode transformar vidas.
Peter Drucker

CURIOSIDADE:Peter Ferdinand Drucker, (nasceu em 19 de novembro de 1909, em Viena, Áustria - faleceu em 11 de novembro de 2005, em Claremont, Califórnia, EUA) foi um filósofo e economista de origem austríaca, considerado como o pai da administração moderna, sendo o mais reconhecido dos pensadores do fenómeno dos efeitos da Globalização na economia em geral e em particular nas organizações - subentendendo-se a administração moderna como a ciência que trata sobre pessoas nas organizações, como dizia ele próprio.