10/07/2010

CRIANÇAS E QUEDA DE CABELOS

As causas mais comuns de queda de cabelos em crianças são:

alopecia areata, fúngicas no couro cabeludo, eflúvio telógeno, hormonais, nutricionais, tração (tricotilomania) e infecções bacterianas sistêmicas (amidalite, otite…). Os fungos podem atingir crianças de todas as idades – em especial na regiões mais pobres, pelo fato de viverem aglomeradas e em moradias de higiene precária porém ocorrem mais em crianças na faixa pré-escolar e escolar, isto é, de 5 a 10 anos.

Existem dois tipos de queda de cabelo causada por fungos:

A tinha tonsurante, mais frequente, é causada por um fungo adquirido de outras crianças ou de adultos doentes, da terra, da areia ou de cães e gatos. Nesse caso o microrganismo “corta” porções de cabelo próximo do couro cabeludo, deixando a criança com uma ou várias peladas. Já a tinha favosa, mais rara, é conatgiosa e grave. Ela provoca várias lesões no couro cabeludo, inflama o folículo piloso podendo deixar cicatriz e, portanto, calvície definitiva nos locais em que ocorre.

Já a alopecia areata caracteriza- se pela queda repentina e geralmente rápida de cabelo do couro cabeludo e/ou de qualquer outra região do corpo, deixando a pele lisa. Trata-se de uma doença autoimune, que atinge crianças, jovens e adultos.
Na infância ocorre principalmente em meninos e meninas de 5 a 11 anos. Provoca mais frequentemente lesões redondas ou ovaladas. É comum ser desencadeada por fatores como estresse pela perda de alguém querido. A alopecia tradicional deve-se a traumas frequentes no fólico piloso pela ação de quem cuida da criança.

O exemplo clássico é a mãe que sempre faz a mesma trança na filha, forçando seus cabelos. De tanto pressionar, o fólico piloso se inflama e atrofia. Os cabelos não nascem mais.

Já a tricotilomania, distúrbio psiquiátrico, também pode ocorrer em crianças. Em situações de tensão e estresse, elas mexem nos cabelos e os arrancam, formando áreas de calvície. O eflúvio telógeno, por sua vez, se caracteriza por aumento na quantidade/proporção de cabelo na ùltima fase, a telógena, e a consequente aceleração no ritmo de queda. Pode ser agudo ou crônico. A forma aguda ocorre em geral dois a três meses após febre alta. A crônica se caracteriza quando a queda de cabelos ocorre por mais de seis meses. Entre as causas estão: desnutrição protéica, anemia crônica e o hipotireoidismo. E o eflúvio anágeno, enfim, se caracteriza quando todos os fios de cabelo que estão na fase de crescimento ou de multiplicação (fase anágena) passam a cair. Ocorre em crianças maiores e mexe com sua vaidade e com autoestima. Nas situações mais graves, elas podem até ser atingidas por estados depressivos.
Fonte: quedadecabelo.com.br

O ideal é que, na primeira indicação de queda excessiva de cabelos, os pais procurem um dermatologista. A maior parte dos casos, felizmente, já tem tratamento totalmente eficaz.

Mais informações: lookchique@gmail.com