24/02/2010

CABELOS AFROS OU CRESPOS

Os cabelos afros ou crespos são mais ressecados que os cabelos lisos ou ondulados devido à dificuldade dos lubrificantes naturais do couro cabeludo necessitarem vencer uma extensão muito grande de curvas, nunca atingindo as pontas dos fios.

Além disso são também bastante suscetíveis aos danos e desgastes de cutícula, o que resulta num aspecto opaco e quebradiço do fio.

O simples ato de pentear-se diariamente ou friccionar os fios para secá-los após a lavagem pode causar alterações na estrutura já fragilizada deste tipo de cabelo.

Os principais danos causados à cutícula dos cabelos crespos são:

Ruptura do fio ou quebra vertical: É o estresse cíclico causado pelas altas temperaturas de secagem ou modelagem com ferro de ondulação e alisamento.

Dicas para prevenção: Intenso condicionamento e uso de secadores e ferro moduladores com temperatura inferior à 75° C, além de cuidar para não atingir o couro cabeludo.

Dicas para reparo: Use produtos para proteção térmica.
Mas também é essencial hidratá-los frequentemente, de preferência antes da modelagem.
Os hidratantes ajudarão à retardar a ocorrência de danos à cutícula.

Formação de pontas duplas: São causadas pelas torções no ato de desembaraçar os cabelos e enxugá-los com toalha.

Dicas para prevenção: Evite embaraçar os fios fazendo uso de shampoos específicos para cabelos crespos que contém agentes pseudocatiônicos facilitadores do penteado.

Na secagem com toalha de tecido procure não torcê-la ou enrolá-la, apenas pressione-a para remover o excesso de água.

Dicas para reparo: Use diariamente um reparador de pontas e corte-os frequentemente. Fio velho é fio frágil.

Abrasão: São danos causados pela força aplicada diariamente durante o penteado dos fios, agravado pela falta de umidade.

Essa secura acarreta em falta de brilho e maleabilidade.

Dicas para prevenção: Usar produtos hidro-retentores, que fixem a umidade nos fios , como os produtos leave-in contendo pantenol, a regeneradora pró-vitamina B5, que garante hidratação constante ao cabelo.

Dicas para reparo: Máscaras semanais nutrientes com vitaminas, queratina e proteínas vegetais, que fornecem um aporte alimentar intenso à fibra capilar.

O cabelo Afro-étnico e os tratamentos químicos

Durante a permanente afro, descoloração, tintura ou relaxamento evite pentear os fios com pentes finos ou tracionar demais os cabelos para desembaraçar.

No momento desta "química" o fio está sensível demais e penteá-lo pode lesar a cutícula, arrancando pedaços invisíveis de proteína e danificando seriamente o cabelo.

O resultado aparece como um cabelo eriçado, com pontas duplas e sem brilho.

O ideal é trabalhar com um pente largo ou mesmo com os dedos, que desembaraçam sem agredir.

O cabelo Afro-étnico e a lavagem rotineira

Prefira os shampoos específicos, que contém agentes desembaraçantes e condicionadores. Estes produtos evitam que os fios se embaracem e exigem menor força de atrito.

Procure pelos seguintes ingredientes no seu shampoo:

* Poliquaternários
* Proteínas animais ou vegetais quaternizadas

São agentes doadores de penteabilidade, controlam a eletricidade estática gerada pelo ato de pentear e ajudam a proteger o fio.

O cabelo Afro-étnico e os tratamentos químicos

Uma vez formada na raiz a fibra capilar não é mais reparada , isto é, não se regenera como a pele.
Portanto após tinturas, descoloração, relaxamentos e alisamentos, os cabelos que receberam "químicas" são susceptíveis aos danos.

Os retoques da raíz são a chave para não danificar os fios, reaplicando somente na área que cresceu, normalmente 3 cm após 3 meses.

As tinturas normalmente alteram a cor depois de 1 mês, prefira começar a coloração pela região virgem, deixe em torno de 20 minutos e somente depois puxe a coloração para a área anteriormente colorida.